Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Loose Lips

Devaneios sobre tudo e sobre nada.

Loose Lips

Devaneios sobre tudo e sobre nada.

07.Mar.18

Quando os defuntos continuam nas redes

Vivemos na era das redes sociais, até aqui nada de novo. A questão é que tentamos tanto preservar a nossa intimidade e privacidade das redes que, quando deixamos de viver, continuamos por lá. Parece macabro, não parece? Acontece-me constantemente uma pessoa que já faleceu há uns dois anos estar na minha lista de amigos sugeridos do Facebook. Mas não há ninguém que apague a conta daquela pobre alma?

E lembrei-me disto porquê? Ora então, ontem recebi a notícia de que um amigo de um conhecido meu faleceu. Ora, logo para começar bem a festa, tive a notícia pelas redes sociais, através de um storie no Instagram. Isto levanta-me muitas questões. Felizmente nunca perdi ninguém próximo e por isso não faço ideia de como se comunica, mas ainda que possa compreender a utilização das redes para a partilha de boas notícias, como um novo emprego ou um noivado, não compreendo a utilização das redes para isto.

É que eu acho que as pessoas que estão de fora também nem sabem muito bem como reagir. Quer dizer, pelo menos eu não sei! Ponho um gosto na publicação? Comento um típico "os meus sentimentos"? Comento com um emoji triste? Comento com um emoji de um coração preto? Eu não sei gente! O pior mesmo é quando as pessoas põem uma foto ou uma publicação a dizer "de luto" e depois uma pessoa até quer saber quem é que foi e parece mal perguntar, não é? Do tipo "Ah e tal, os meus sentimentos. Olha lá, já agora, quem é que faleceu?". Quer dizer, que falta de chá... Estava eu a dizer que não percebo isto, o anúncio de uma morte pelas redes. Posso compreender que é mais fácil, porque abrangemos mais pessoas. Mas, quer dizer, as redes sociais são tão plásticas que a maioria das pessoas que lá temos vai comentar só porque sim. O apoio que poderemos ou não sentir vem daqueles que nos são próximos, daqueles que não precisam de uma rede social para conhecer a nossa dor. Percebo que, ao fim de algum tempo, se sinta a necessidade de partilhar uma foto da pessoa ou com a pessoa, mas isto se for realmente alguém próximo (não é se for aquele tio que até está emigrado e vemos uma vez no ano) a demonstrar a saudade, mas é isto. Não percebo o partilhar da notícia pelas redes. 

Depois outro fenómeno muito estranho é quando as pessoas vão desta para melhor, mas continuamos a ter o perfil dela ativo. Isto faz-me muita confusão gente! Então mas ninguém se digna a apagar-lhes o perfil? Alguém precisa de ver a bebedeira monumental que a pessoa apanhou na Queima das Fitas de 2011? Ou de ter aquela carinha sorridente como amigo sugerido? Ou, pior, um perfil repleto de mensagens de saudade e de "descansa em paz"?! Eu pergunto-me o que é que passa na cabeça das pessoas que vai ao perfil de um defunto comentar as suas fotos ou publicações com um "descansa em paz, amigo" ou "vemo-nos do outro lado"... Como assim gente?! Acham mesmo que a pessoa vos vai responder?! Não vos parece macabro isto tudo?

Eu aposto que há ali um botãozinho qualquer para pedir ao Facebook ou Instagram ou o que seja para eliminar aquela conta pelo facto de a pessoa ter falecido, mas estou aqui a falar de cor. E se não há, devia haver, que ninguém devia ser obrigado a ver defuntos nas redes. A não ser que sejam giros, se forem giros a gente tolera-os mais um bocado.