Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Loose Lips

Devaneios sobre tudo e sobre nada.

Loose Lips

Devaneios sobre tudo e sobre nada.

29.Mar.18

A necessidade de rotular as pessoas

Hoje estava numa reunião com uma série de dirigentes da organização em que trabalho, até que uma recebe um telefonema de uma dessas empresas de telecomunicações e a tratam por D. X.. Ora, a pessoa lá respondeu e às tantas, quando desliga, diz "olha, agora afinal sou dona. Logo eu que tenho licenciatura pré-bolonha e que até sou equiparada aos mestres". A gargalhada foi geral pelo tom despretensioso com que foi dito. Mas eu fiquei a pensar naquilo.

Fiquei a pensar sobre os médicos quererem ser tratados por outra coisa qualquer que não Doutor porque agora toda a gente o é. E outra coisa que não percebo é esta confusão entre o Dr. (um licenciado) e o Doutor (um doutorado). Gente, os médicos não podem (de todo!) ser equiparados a um licenciado. Até aí, acho que concordamos todos.

Fiquei a pensar sobre o facto de eu, sempre que saio do edifício onde trabalho, e depois de me despedir ouvir um "Até amanhã Dra." depois de ter pedido mil vezes que me tratassem pelo nome. Fiquei a pensar sobre o facto de sempre que ligo a um engenheiro ou arquiteto e os trato como trato toda a gente, pelo nome, ser corrigida, que afinal é Engenheiro X ou Arquiteto Y. Fiquei a pensar sobre esta necessidade de rotularmos as pessoas. Sobre esta necessidade de nos afirmarmos, de certo modo? É mesmo necessário estabelecer esta barreira?

Não podemos simplesmente tratarmo-nos pelos nomes? O que é que interessa se é Dr., Mestre ou Doutor? Se se chama Ana é tratada por Ana, independentemente do grau. Claro que numa situação formal, em que a pessoa é oradora num evento ou alguma coisa equiparável, faz sentido contextualizar o porquê de aquela pessoa ser mais apta a falar sobre determinado assunto, seja pela experiência ou formação académica, mas fiquemo-nos por aí.

Isto até podia fazer sentido há umas gerações atrás, em que meia dúzia de pessoas ia para a faculdade, mas a verdade é que agora (quase) toda a gente é licenciada e não faz sentido andarmos aqui com títulos para trás e para a frente. Mas isto sou eu que sou Mestre e me continuam a tratar por Dra. e se calhar estou só ressabiada.*

 

*ironia gente, i-r-o-n-i-a.

4 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 31.03.2018 23:27

    Digamos que é um contexto diferente dos colegas de trabalho de todos os dias... Acho que os médicos são claramente merecedores do título, daí que perceba a reivindicação de quererem um outro título para se distinguirem de todos os outros Drs. e não se trata só da tipologia de negócio, mas do tempo dispendido na obtenção do grau e no facto de saírem como Doutores e não Dr. é que parecendo que não há diferenças e o Passos que o diga ou não haveria objeções à sua equiparação a Professor Catedrático.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 31.03.2018 23:45

    E os honoris causa como o Leck Valesa, um humilde metalúrgico? Também devem ser tratados por doutores? E o Lula da Silva?
  • Imagem de perfil

    looselips 01.04.2018 00:07

    Gente, vamos lá reler o texto sim?
    Tratar colegas de trabalho pelo título não é extamente o mesmo do que tratar um dos cirurgiões plásticos de maior renome em Portugal pelo nome próprio, certo?! A minha questão incide, essencialmente, no primeiro ponto. Não comparemos o que não é comparável.
    E também não me parece que se possa reduzir todo o trabalho de Lech Walesa em "humilde metalúrgico", mas isto sou eu que felizmente já usufruo de sindicatos e direitos laborais!
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.